21 agosto 2005

Pedindo emprego.

Analisando meus posts (não escrevo mal não) e tendo em vista a incapacidade de Diogo Mainardi, gostaria de vir a público pedir emprego à revista Veja (se eles pagam a DM para escrever aquele aglomerado de bobagens, por que não me pagar pra escrever algo mais substancioso???).

Ética x Diogo Mainardi

(Diogo Mainardi, caso o senhor esteja lendo este post, queira, por gentileza, começar pelo glossário que se encontra abaixo da despedida deste texto.)

Antes de iniciar este post, convém esclarecer que não tenho absolutamente nada contra jornalistas, só não suporto ver que alguns realmente denigrem a classe por motivos vários (atentados à Língua Portuguesa, completa ausência de opinião – ou incompetência para exprimi-la, etc...). Mas num país onde Paulo Coelho é considerado “imortal” não se pode esperar muito. Hoje tratarei de um acinte à ética (sim, jornalistas devem primar pela ética.) cometido por, óbvio, (quem adivinhar, leva um doce...) Diogo Mainardi.

Em um, como poderei dizer, “artigo” (sic.) ele deliberadamente expôs o nome (pra lá de exposto) de José Janene, após dar a palavra ao parlamentar que não divulgaria sua fonte (o jornalista disse e repetiu “Confie em mim” ao deputado.) Vou tentar fugir do lugar comum de comentar “Ah, ele tinha de resguardar o sigilo da fonte”, pois, para um sujeito que mal sabe escrever e adora um holofote, deve ser um tanto quanto complicado saber o significado de “resguardar” e de “sigilo”.

Podem me chamar de velha, mas acho que dar a palavra a alguém é algo muito, mas muito sério. Não sou das maiores fãs de Cláudio Humberto, mas devo reconhecer que, ao contrário de Diogo Mainardi, ele se portou exemplarmente ao resguardar o sigilo de suas fontes, mesmo sob pressão do Planalto e de diversos parlamentares. Ainda comparando (perdão Cláudio Humberto, sei que você não merece essa comparação), as divulgações de CH foram infinitamente mais graves que os parcos (e ridículos) blá-blá-blás de DM. CH antecipou várias das denúncias hoje verificadas, ao passo que DM mal consegue concatenar suas idéias (supondo que ele tenha alguma, ainda que pífia).

O que DM faz é semelhante à criança birrenta quando tem negado algum pedido, não avalia, apenas esperneia. (Gostaria de deixar claro que adoro crianças. Portanto, não me processem por este comentário, ok?). O que DM fez em seu “artigo” (sic.) foi, no máximo, mostrar que sua agenda telefônica tem o número de algumas autoridades. Mas ao dizer “confie em mim” ele DEVERIA portar-se como homem (se não pela atitude de uma pessoa séria, pelo menos em prol dos jornalistas) e cumprir a palavra dada. Ao desrespeitar o prometido, acabou por nivelar-se por baixo, igualou-se àqueles que critica (justamente por falta de ética e decoro). Creio que DM pode falar com conhecimento de causa das trapaças realizadas neste e em qualquer outro governo por conhecer a fundo a má-fé que as permeia. Fato este demonstrado e corroborado no referido “artigo” (sic.). Entretanto, ele jamais poderá falar de pessoas honestas, principalmente daquelas que mantém sua palavra, pois ele desconhece noções básicas de oportunidade (oportunidade é muito diferente do oportunismo seguido por DM), em especial daqueles depreendidos da frase de Sun Tzu: “Existem três coisas na vida que não têm volta: flecha lançada, oportunidade perdida e palavra dada”.

Para explicitar melhor: por não valorizar a própria promessa, DM perdeu a valorosa chance de somar José Janene ao seu caderninho de fontes (se é que ele tem algum) e de, quem sabe um dia, vir a se tornar um jornalista, na melhor acepção da palavra. Perdeu ainda a oportunidade de angariar novas fontes, pois será difícil alguém vir a confiar em quem se orgulha em (repito) se nivelar por baixo.

Seu intento de jornalista marrom foi atingido: deu-se um quiprocó no Planalto Central (e só!). Como não poderia deixar de ser, em vez de assumir o que escreveu, DM escondeu-se na alcunha de “articulista”. Os jornalistas decentes poderão respirar aliviados, nem mesmo DM se considera um jornalista. Todavia, os “articulistas” terão sérios problemas com esse arremedo, pois foram todos rebaixados ao roto saco anti-ético que contém DM.

Até a próxima!

Ps.: Supondo que Diogo Mainardi venha a ler este post, convém inserir um glossário, para evitar que ele tenha problemas em compreender o texto:

Ética: Reflexão sobre os fundamentos da moral. O que caracteriza a ética é a sua dimensão pessoal, isto é, o esforço do homem para fundamentar e legitimar a sua conduta (afilosofia.no.sapo.pt/CONCEITos.htm).

Acinte: de caso pensado, provocação. (Dicionário Aurélio – aquele livro que deve estar fazendo a alegria das traças em sua residência – traça: inseto que se alimenta de tecidos, peles, cereais armazenados e livros esquecidos na prateleira).

Primar pela ética: esmerar-se em favor da ética, esforçar-se por manter aspectos éticos naquilo que se faz.

Resguardar o sigilo da fonte: cuidar para que o nome da pessoa que lhe revelou algo seja mantido em segredo (para melhor entendimento, é o contrário daquilo que o senhor fez no referido “artigo” – sic.)

Palavra dada: promessa que, uma vez feita, deve ser cumprida (exatamente o oposto do que o senhor costuma fazer)

Portar-se como homem: primar pela ética e pelo bom senso (não vou explicar o que é bom senso, pois para fazê-lo compreender seriam necessários infinitos posts) e honrar (respeitar) as promessas feitas.

Nivelar-se por baixo: tomar como exemplo ou meta algo ou alguém que está longe de representar o melhor.

Sun Tzu: general chines que viveu no século IV a. C. Comandou o exército real de Wu, acumulando inúmeras vitórias ao derrotar os exércitos rivais e capturar seus líderes. Profundo conhecedor das manobras militares, escreveu A Arte da Guerra, na qual ensina estratégias de combate e táticas de guerra, que podem ser utilizadas no cotidiano. Para tanto, é necessário o mínimo de esforço intelectivo. Assim, creio que o senhor não conseguirá atingir a proposta (www.suntzu.hpg.ig.com.br).

20 agosto 2005

Tirando a teia de aranha...

E tirando a teia de aranha que se formou no meu bloguinho, vou fazer um mix de assuntos. Vou falar de tudo (o que eu me lembrar) um pouco.

De cara vamos falar do filme marqueteiro (ops, eu disse "marqueteiro"??? quis dizer "verdadeiro") Os dois filhos de Francisco. Dizem que conta a história da dupla breganeja (ops! sertaneja) Zezé di Camargo e Luciano (ok, não comentarei os nomes!!!). Como parece ser um filme biográfico e perguntar não ofende, gostaria de saber se vão falar daquele megashow custeado com o dinheiro público... (aguardo respostas, pois não assistirei ao filme). Taí, o Lula podia pegar carona nessa onda. De antemão, aí vão algumas sugestões para o título: O filho(te) de D. Lindu, Meu dedinho esquerdo, Diário de um mensalão, Pequeno dicionário corruptoso, O silêncio dos indecentes (Genoíno, Dirceu e grande elenco)...

Mudando de assunto: a faculdade vai bem, obrigada. Não fosse por um detalhe, descobri que sou CDF!!! Aliás, confirmei que sou CDF!!! Nos meus primeiro e segundo graus, estudava apenas o suficiente para passar de ano, na faculdade eu me vi na posição de nerd, os mesmos a quem criticava severamente. Mas como língua paga, vi-me sendo uma das nerds da faculdade de Letras da Universidade Católica de Brasília (a UCB é tida como "filantrópica", ou seja, sem fins lucrativos. Entretanto, a mensalidade me fez rever o conceito de "filantrópica" e da expressão "sem fins lucrativos".) Agora estou na faculdade de Direito da (A, E, I, O) UDF e estou mais nerd que na época da Católica!!!! Não passa um dia sem que eu dê uma estudada, nem que seja pra revisar o que já estudei. O pior é que estou com sérias intenções de resumir os textos que já li!!!

Sei que o fato de se estudar o que se gosta e não ter mais de desejar arduamente que a maçã que caiu na cabeça de Isaac Newton tivesse causado um aneurisma fatal (em vez de nos "brindar" com a fofíssima Lei da Gravidade) ajuda muito. Mas, sinceramente, a mensalidade de R$ 500,00 (1997 a 2000 - UCB) e de R$ 700,00 (UDF) colaboram sobremaneira para uma radical mudança de postura. Apesar disso nada, absolutamente nada explica o fato de eu estar realmente gostando de estudar!!!

Voltando pro assunto "(des)governo": Acho que o pessoal do PT vê muita televisão, e enlatados americanos!!! (Eita, os antiimperialistas devem estar se auto-flagelando depois dessa!!!). Tal constatação advém do esquema seriado dos escândalos, surgem pelo menos dois por semana. São tantos que ninguém mais lembra que tudo isso começou com R$ 3.000,00 entregues a um diretor dos Correios. (Como ele havia sido indicado pelo Sr. Roberto Jefferson, o nobilíssimo deputado começou a expor, sem anestesia, os intestinos do PT. É interessante como esqueceram a equação Correios + Propina + Dep. Roberto Jefferson. Tanto olvidaram que tem gente agradecendo ao parlamentar o honroso (des)serviço ao país. Hum, tenho de rever meu conceito de "honroso"). Se tivesse de dar um nome ao seriado petista seria The O.C. (algo como "A Oclocracia").

Para quem pensa que o showman da semana foi o ex-Secretário de Ribeirão Preto, engana-se. A personalidade desses dias foi Severino Cavalcanti: o homem a quem cujo salário-mínimo causa diarréia (literalmente falando). Ele confessou em rede nacional que não presidiu a votação do SM, por estar praticando o que todos praticam, em local reservado. Parece que seu mal-estar foi sentido no plenário, exaltando os ânimos de seus pares. (Em tempo, alguém poderia fazer a gentileza de presentear Inocêncio Oliveira com uma tabuada? Tenho sérias suspeitas de que ele não sabe contar.)

E a musa-oculta das CPI's, mais conhecida como Jeane Mary Corner??? Se ela resolver ceder sua agenda de contatos, o índice de divórcios aumentará significativamente (e haja mensalão para pagar a pensão alimentícia!!!). Aliás, de onde essa mulher tirou esse pseudônimo??? (O generoso leitor que se propuser a ceder a tabuada ao Inocêncio Oliveira, poderá angariar benesses no próximo reino se der uma bolsa de estudos em qualquer escolinha de inglês para a "promotora de enventos sexuais"... ops... "sociais" Jeane Mary Corner.)

Chega de veneno!!!

Até a próxima!!!

03 agosto 2005

Um dia para não sair da cama (mas saí...)

Hoje foi um daqueles maravilhosos dias em que eu não devia ter saído da cama. Pra início de conversa estou de TPM.

Acordei cedo, porém atrasada para a aula. Por conta disso, saí correndo e esqueci o caderno (sim, o caderno da facul!!!!) e os documentos que precisava para resolver alguns problemas.

Já na facul, tive de perguntar qual era a minha sala pra todo mundo que cruzava o meu caminho. Por sorte, acabei descobrindo. A sala estava lotadíssima, pois a UDF colocou duas turmas numa única sala. Well, entrei, sentei e comecei a conversar com um carinha muito legal (não me perguntem nomes, não lembro mesmo!!!), mas tive de abandonar meu ex-futuro amigo, porque a facul corrigiu o problema (cursamos a mesma matéria em turmas separadas).

Acabada a aula, fui resolver meus problemas. Bem, não tenho carteira de habilitação e fui resolver de ônibus. Primeiro passo: tirar foto 3x4, por ter perdido a meia-dúzia que havia tirado há duas semanas, para poder tirar a segunda via da minha Carteira de Trabalho (que também sumiu).

Aí, dei a errada de ir ao Banco do Brasil. Contei ao atendente o que me aconteceu em São Paulo e (óbvio) eles se acharam cheios da razão. Ao pedir uma declaração do banco dizendo "isso aconteceu por conta disso", mudaram-me de atendente. A moçoila disse que o banco não dava esse tipo de declaração, respondi que não havia problema, pois iria entrar na justiça de qualquer jeito. Como quem fala o que quer, ouve o que não quer, tive de ouvir da fulaninha "Não vai adiantar, porque está previsto no contrato". Quase surtei, mas não estava com paciência (nem tempo) de perguntar se ela sabia o que era "cláusula abusiva" (muito provavelmente ela não deve saber, pois ela telefonou à Assessoria Jurídica do banco para perguntar se poderia me passar a tal declaração, a qual, diga-se de passagem, tinha direito.). É incrível, passam os anos e o Banco do Brasil continua a mesma porcaria de sempre!!!

Depois, fui formalizar o acerto de contas no meu antigo emprego. Curiosamente, demorei mais tempo para ser demitida que para ser contratada (acho que eles não queriam que eu fosse embora, só pode ser) e descobri que ainda terei de ir ao sindicato no mesmo turno em que tenho aula!!! Ah, tinha uma senhora que estava sendo demitida, aparentemente, por excesso de atestados médicos (detalhe, ela tem uma doença cardíaca). Aproveitei para dizer que, dependendo da situação, ela poderia entrar na justica (mais uma bola fora, falei isso diante do sujeito do RH da empresa. Ele quase teve um filho, disse que não era bem assim, que a empresa era uma mãe, blá, blá, blá... Tive a pachorra de repetir que dependendo do caso, ela poderia SIM entrar na justiça. Acho que amanhã ele registra a criança).

Sem condições!!!

02 agosto 2005

Amigos (para não perder o costume, post longo)

Para uma anti-social assumida como eu, a internet funciona como uma espécie de seleção de minhas amizades. Meu anti-socialismo funciona (pra variar) um tanto diferente. Aparentemente, sou extrovertida, brincalhona, etc., mas sou muito desconfiada, apesar de ainda ser bastante ingênua em alguns aspectos. Assim, tenho muitos colegas e poucos amigos.

É contraditório, mas gosto de pessoas. O problema é que essas pessoas têm de ser interessantes, podem até ter as suas futilidades (como eu tenho as minhas), mas têm de ter conteúdo. Não precisam ser necessariamente inteligentes, mas têm de ser sábias.

Bem, agora você deve estar se perguntando "onde entra a internet em tudo isso". Explico, devido a minha formação em Letras, consigo captar a pessoa pelo que ela escreve, pelo que ela não escreve, pela maneira como escreve (tá bom, dou umas bolas fora, mas são poucas). É esquisito, mas dá pra perceber até quando a pessoa finge ser o que não é (sabe quem quer dar uma de cult e na verdade é um borra-botas? Os textos me mostram a diferença).

Ao contrário do que possa parecer, essa análise é automática. Sei lá, começo a ler e já ligo o cérebro para notar nuances que, para muitos, passam despercebidas. A partir disso, vou selecionando as pessoas que leio, as que quero conhecer, as que eu quero distância... e por aí vai.

A internet me trouxe boas e inesquecíveis surpresas. Uma delas foi a Luciene.

A Lu começou a comentar neste blog e gostei do que ela falava. Minha análise dizia "essa garota é segura de si, sabe o que fala e é bem resolvida (tem lá seus conflitos, como todos têm, mas sabe sair deles.) Tem uma característica que todos os meus amigos têm: fala o que pensa, não fica dourando pílula. Interessante....". Conversa vai, conversa vem, descobrimos que esse mundo é muiiiiiiiiiiiiiiiiiiito pequenininho (ela sabe do que eu estou falando :oD). Para não matá-los de curiosidade, só vou dar uma pista: antes de ela comentar no meu blog, eu já tinha boas referências, só que "ligamos o nome a pessoa" após algum tempo de papo. A minha viagem a São Paulo me mostrou que, além de tudo isso, ela é muito doce e atenciosa.

Assim que pisei em solo são-paulino (da cidade, não do time!), liguei pra Lu. Mas só calhou de nos conhecermos pessoalmente somente no dia seguinte, exatamente no dia em que eu queria fuzilar o primeiro sujeito que me olhasse torto (lembra do Banco do Brasil, pois é...). Saímos para jantar no Bexiga (o jantar foi ótimo, mas as companhias foram perfeitas!!!).

Bem, gente que é legal, nunca vem sozinha. No caso da Lu, que é fantástica, imagine as companhias. Ela coincidiu com tudo o que eu imaginava dela, mas teve um detalhe que foi além de minhas análises: a doçura dela começa no olhar. Ainda extasiada em vê-la, mal tive tempo de me recuperar para conhecer a Gabriela (ainda está na barriga, mas essa garota promete!!! Vai ser vivaz!!!), o Luciano e o João Pedro.

O Luciano é o tipo da pessoa observadora (apesar dos olhinhos pequenininhos que tem). É muito perspicaz e demora um pouco para ficar à vontade (aliás, quem não demora???). Inspira muita confiança e seriedade (sabe aquela pessoa que você sabe que pode contar???). Assim como a Lu, é bastante atencioso.

Eles têm um tesouro: João Pedro (acho que estou apaixonada!!!). Conheci meu mais novo amigo por fotos (que me deixaram de coração derretido). Pessoalmente, nosso relacionamento começou de forma incomum: fui apresentada a um belo adormecido. Quando foi acordado, óbvio, demorou para sair daquele soninho gostoso e se ambientar. Nesse meio tempo, observou tudo e todos e se deparou com uma mulher de olhar compriiiiiiiiiiiiiiiiiiiido, dando um sorriso imenso (ah, meus dentes são enormes) e fazendo caretas (ok, concordo, essa não é bem a visão que se espera assim que acorda). Depois da ambientação, começamos a nos entender. Que delícia!!!

O João é daqueles meninos que, só de olhar, vê-se que possui um coração imenso. É um menino bom (não o bom do comportamento - calma, ele também é assim - mas o bom que me interessa: querer ver o bem do outro). O sorriso dele é iluminador!!!! Ele parece um anjo!!! (parece é eufemismo, o menino é um anjo!!!).

Não satisfeita em ficar apenas no papo, arrisquei pegá-lo no colo... e não é que ele veio??? Trocou aquele colo fofo do pai dele, pelos ossinhos da nova amiga (não sou magra, mas meus ossos são protuberantes). Foi difícil largá-lo, deixá-lo ir embora... (Ah, o melhor de tudo: quando o Luciano e a Lu disseram que eles teriam de ir para casa, ele disse "não quero ir pra casa não". Imaginem o meu estado de derretimento depois dessa). Esse menino me salvou de um mau humor que ele nem imagina. Ele salvou a minha viagem. Muito, mas muito obrigada mesmo, João. Sem desmerecer seus maravilhosos pais e sua linda irmã, você foi o melhor momento da minha ida a São Paulo.

Essa família é tão linda, tão especial pra mim que só de escrever esse post me deixou com um sorriso no rosto (yeah, eu me permito ser redundante. Eles merecem!!!), e um misto de alegria leve e saudade no coração. Enfim, estou muito feliz por ter feito novos e interessantes amigos (sim, amigos, não colegas).

Até a próxima!!!

Ps.: Nem sei como consegui escrever este post, pois, se me perguntassem o que eu achei de meus amigos, não teria palavras. Confesso que este texto é só uma pálida imagem do que realmente sinto. Até o título foi complicado... só consegui achar um bonzinho ao final da escrita.

Nem tudo que é argentino é ruim...

Apesar de brasileiro detestar argentino, temos de dar o braço a torcer, eles tem bons expoentes nas artes. Um bom exemplo é o tango. Que dança linda!!! Dramática, teatral, fantástica...

Falando em tango, não podemos esquecer de Carlos Gardel. O cara era "oh"! Como ele dispensa comentários e apresentações, vou me limitar a postar uma de suas músicas mais representativas (para mim, pelo menos).

"El día que me quieras

Acaricia mi ensueño
el suave murmullo de tu suspirar.
Como rie la vida
si tus ojos negros me quieren mirar.
Y si es mio el amparo
de tu risa leve
que es como un cantar,
ella aquieta mi herida,
todo todo se olvida.

El día que me quieras
la rosa que engalana,
se vestirá de fiesta
con su mejor color.
Y al viento las campanas
dirán que ya eres mía,
y locas las fontanas
se contaran su amor.

La noche que me quieras
desde el azul del cielo,
las estrellas celosas
nos mirarán pasar.
Y un rayo misterioso
hara nido en tu pelo,
luciernaga curiosa que veras
que eres mi consuelo.

El día que me quieras
no habra más que armonía.
Será clara la aurora
y alegre el manantial.
Traerá quieta la brisa
rumor de melodía.
Y nos daran las fuentes
su canto de cristal.

El día que me quieras
endulzara sus cuerdas
el pajaro cantor.
Florecerá la vida
no existira el dolor

La noche que me quieras
desde el azul del cielo,
las estrellas celosas
nos mirarán pasar.
Y un rayo misterios
hará nido en tu pelo.
Luciernaga curiosa que veras
que eres mi consuelo."

Marcante, não???

(Ah, e procurando a letra, encontrei um poeminha
neste site. Não é nenhum Drummond, aliás, passa looooooooonge, mas vá lá .

"
Ainda acordo todas as manhãs prá você!

Ainda espero o seu telefonema me dando bom dia.

Ainda canto distraído El dia que me queiras.

Ainda espero e-mails apaixonados.

Ainda espero suas crônicas do cotidiano.

Ainda espero sua aprovação ao que escrevo.

Ainda ouço sua sonora gargalhada.

Ainda, quando aflito, pego o telefone para
ouvi-la me acalmar."
)

Por enquanto é só. Até a próxima!!!

01 agosto 2005

Vortei!!!

Nossa, tô toda quebrada!!! Dói tudo da cintura para baixo. Quando ando, pareço uma velhinha. Também, depois de 3 horas de workshop de dança, seguidas de 16 horas num ônibus, não dava para ser diferente. Ah, mas chega de lamentações e vamos ao que interessa: a viagem.

Pra início de conversa, tenho de dormir daqui a pouco (já começaram as aulas, já faltei o primeiro dia e seria muita cara de pau minha faltar o segundo), e só vou contar uma partezinha, ok??? (Relaxem, depois mando o resto).

Quinta-feira (dia 28/07), depois de um atrasozinho de mais ou menos 1h, embarcamos no buzão (na lateral dizia "executivo", mas era um pé-duro com ar-condicionado a "la Sibéria". Pingüins eram bem vindos. Só não morri de frio porque minha companheira de poltrona, gentilmente, dividiu o lençol comigo). Sabedora de minhas imensas frescuras para dormir, comprei Dramim (remédio para enjôos, cujo efeito colateral - que muito me interessava - é a sonolência). O remedinho foi a salvação da lavoura - da minha e de mais 4.

Chegamos em Sampa ao meio-dia da sexta e nosso primeiro programa (claro!) foi as comprinhas básicas na 25 de março. Imagine 40 mulheres pegando o metrô, desembarcando naquela "maravilhosa" rua... pois bem, o elogio mais sutil que ouvimos dos ambulantes foi "Deus não nos esqueceu". Ficaram admirados em ver tanta mulher junta.

Depois de bater perna e fazer um certo estrago na conta bancária, voltamos para o hotel e zarpamos pra Khan el Khalili. Lá, finalmente, conheci o Jorge Sabongi. Digo "finalmente", pois o conheço virtualmente há pelo menos 1 ano. Ele é muiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiito gente boa. Não pára um segundo!!! Acomodamo-nos numa das salas e nos fartamos com o Ritual Árabe (bolos, pães, patês, chás, etc...) e, óbvio, com dança do ventre!!! (Meus sinceros elogios à Priscila. Além de dançar muito, é liiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiinda, simpática, divertida... Sabe aquelas mulheres que são tão perfeitas que dá vontade de bater???).

Ah, voltando um pouco, tinha um "bendito ao fruto" na viagem: o Eduardo, namorado da Lu Guerra. Eles formam um casal maravilhoso.

Segundo dia: O mulherio se dispersou. Cada uma foi para um canto. Eu e mais 10 ou 11 fomos terminar de detonar com a nossa conta bancária na João (ou José, não lembro) Paulino. Voltei voando para o hotel, liguei pra Luciene, combinamos de jantar às 8 no Bexiga. (Sobre a Lu, o Lu, o fofinho do João Pedro e Gabriela falarei noutro post. Ah, não dá pra falar deles correndo não, seria uma tremenda injustiça com pessoas tão fantásticas). Até estava feliz, mas (sempre esse "mas"), o Banco do Brasil quase estragou o meu dia. Aqueles (censurado) resolveram, deliberadamente, cortar meu cheque especial!!! E eu fui descobrir isso lá... (palavrões de praxe). Mas já resolvi esse quesito. Quem me salvou do mau-humor que se prenunciava foi o João Pedro .

Terceiro dia: Depois de muito bater perna e não contente com as dores musculares, fui fazer o workshop da Shahar (apenas 3 horas de dança). Shahar é uma das melhores bailarinas que eu já conheci e uma das pessoas que adoram falar tantas besteiras quanto eu. (É, eu falo muita bobagem. Deu chance, lá vou eu falar - ou pensar - em alguma besteira ou piada). Resultado: o workshop acabou com o que restava de meus músculos, mas o bom humor da aula ficou garantidíssimo!!!! Eu e as 7 corajosas que enfrentaram o workshop voltamos (pra variar voando) ao hotel, tomamos o banho mais rápido de nossas vidas, arrumamos as malinhas, fizemos o check out.

Aí, as lombrigas lembraram que estávamos em dívida com elas, pois só havíamos tomado o café da manhã (o remember ocorreu lá pelas 17h30). Eu, Lu Guerra e Eduardo fomos ao restaurante mais próximo que, curiosamente era de comida árabe, para saldar nossa dívida com as nossas hóspedes. Embarcamos no buzão e fomos assistir às Noites do Harém da KK (só as top da Casa de Chá dançam nas Noites do Harém). Depois de ver Lulu, Nur, Priscila (a bela), Jade, Nevenka e Mayara dançando, pensei seriamente em fazer sapateado (já havia tido essa idéia quando vi a Priscila, mas eu sou brasileira e não desisto nunca!!!).

A volta: lembram do ar-condicionado siberiano??? Ele estava com força total na volta. Numa das paradas, pedi ao motorista para abrir o bagageiro (motoristazinho - censurado!!! Fez a maior cara feia do mundo, mas abriu. Ah, se abriu!!!). Voltei parecendo um esquimó!!!

Pensam que dormi desde ontem??? Ahá, ledo engano!!! Estou no ar até agora. O bom é que beijei, abracei, mordi, brinquei de futebol (descobri que sou a maior frangueira da história) com o menino mais lindo, maravilhoso, cheiroso e gostoso desse mundo: Mr. Marco Aurélio!!!

O papo tá bom, mas eu realmente tenho que dormir. São 23h50 e amanhã vou acordar às 6h40 (quem me conhece sabe muito bem o que isso representa para mim).

Até a próxima!!!!