28 agosto 2007

Escandalizando de novo

É só um comentariozinho: a brincadeira da corda (que descobri chamar-se "chicotinho queimado") deu resultado!!! Hoje as crianças me convidam para brincar.

Ah, e sim, consegui jogar bola... como goleira.

Não tá entendendo??? Então leia este post

Inté!!!

Ps: não comprei os lenços umedecidos... tive que, mais uma vez, contar com a boa e velha pia do banheiro (e protagonizar novamente a tal cena grotesca)

Nerdices, gafes e o "detecta-vagabundas"

E como toda boa nerd tô estudando horrores neste semestre... mas tem uma explicação: semestre passado eu não mantive minhas boas notas devido, unica e exclusivamente, à vadiagem que me assolou.

Hum... acho que estou tentando arrumar uma desculpa esfarrapadíssima para justificar minha longa ausência. Tá, já desisti!!!

Bem, só complementando, neste semestre sou outra pessoa. Voltei ao velho e bom habitus nerds.

Como tô sem assunto, vou encher lingüiça até encontrar um.

Comprei um livrinho, cujo título me chamou a atenção: Gafe não é pecado. Bem, para uma pessoa que, como eu, é PHD em gafes, escorregadelas e outras coisinhas do gênero, só o título é uma alívio. Sério mesmo, é bom acordar todos os dias e recitar "gafe não é pecado". O melhor de tudo é que o livrinho custou só R$ 2,00!!!

Falando em gafes, cometi uma de lascar há umas 3 semanas. Depois de 12 anos sem ver um amigo, marcamos um almoço (que durou a tarde inteira) pra pôr as fofocas em dia. Ele me contou que chegou a se casar, também se separou, e descobriu uma série de más atitudes de sua ex. Lá pelas tantas pergunto:

- E como ela está agora???
- Ah, ela se casou novamente
- Putz, então ela arrumou outro otário???

(silêncio eloqüente)

Juro que só fui ver o tamanho da gafe quando pronunciei a última sílaba... aí já era tarde e é o tipo da situação que qualquer emenda que se faça sairá pior que o soneto.

Ah, outra gafe linda (se é que existem gafes lindas). Fui à festa-da-amiga-de-um-amigo. Uma amiga minha tomou todas e mais algumas e, ato contínuo, fui dar apoio moral enquanto a moça fazia uma visita ao sanitário. Eis que surge uma "famosa quem" no banheiro feminino e se depara com a cena. Sem a menor cerimônia pergunto:

- Você por acaso teria um chiclete???
- Tenho sim, vou buscar

(5 minutos depois, ela volta com o chiclete. Agradeço e o entrego à minha amiga)
(2 horas depois, descubro que a "famosa quem" era a dona da festa)
(Agora façam uma pausa e tentem imaginar minha expressão de "ops, I did it again" quando fui cumprimentar a "famosa quem" pelo aniversário)

Nessa festa, essa foi apenas umazinha das 4 cometidas!!! Mais um pouco, eu bato o recorde (recorde em termos de quantidade, pois em questão de número de gafes por minuto, acho que consegui bater. De qualidade, tenho ABSOLUTA certeza que bati).

Nem tudo, é claro, estava perdido...

Digo que Deus conhece bem as suas criaturas e as presenteia com o que elas precisam. Como sou extremamente lerda, fui agraciada com o "detecta-vagabundas". Funciona assim, se alguma fulanóide está a fim de testar o poder de sedução com o meu namorado, o alarme do "detecta" dispara. É incrível, não falha nunca, mesmo quando a "fofésima" merece o Oscar!!! Consigo detectar uma moçoila dessas a quilômetros de distância.

Pois bem, assim que conheci uma amiga do meu namorado, o detecta disparou. Um belo dia, contei a ele que não ia lá muito com a cara da garota (falei numa boa, sem estresse nem nada do gênero). Eis que a fulanóide resolve dançar com meu namorado na festa. Até aí, tudo bem. Mas a moça não sabia conjugar muito bem o verbo dançar, mas conjugava perfeitamente o "esfregar-se" (pelo visto, era perfeito em todos os tempos e modos). Foi realmente deprimente.

Agora a cereja do bolo: o detecta tem múltiplas funções, além de localizar a "indivídua", mostra qual a intenção da "coisa" em agir daquela maneira. E, para variar, ele (o dispositivo que Ele me deu de presente) funcionou com perfeição. Explico: a intenção da "fofa" era apenas me irritar. Fracassou com louvor!!! Não estressei, não movi palha!!! Sequer fui irônica!!! (Um milagre!!! Um milagre!!! não fui irônica!!! Pensando bem, pode não ser um milagre e sim um sinal do apocalipse...)

Acho que estou numa fase muito zen da minha vida. Quando ensaio um estressezinho, analiso se vai valer a pena o esforço despendido. No caso da moça-sem-adjetivação, vi que não valia a pena. Além de ter quebrado a cara, ela caiu no conceito, não só do meu namorado, mas de todos os presentes na festa. E eu saí de lady!!! (Definitivamente é um sinal dos tempos!!!).

Ah, ainda não achei assunto... fica pra próxima então!!!