22 março 2011

Todas as mães e todos os filhos

É bem verdade que as famílias de hoje são bem mais miscigenadas que as de antigamente. Há uma gama de pais, mães e filhos. Nossos filhos não são mais apenas os que nascem da nossa barriga, mas também nossos enteados.

Sinceramente, não consigo entender os pais e mães que fazem distinção entre seus filhos: "meus filhos são Pedrinho o Joãozinho, o Lucas e filho do meu marido". Ora, ou você é mãe ou você não é mãe.

As "digníssimas" que separam seus filhos são excelentes estrategistas, mas péssimas mães de família. Família é união, não segmentação. Se seus parentes fazem essa distinção, tá na hora de você falar em alto e bom som "TODOS são meus filhos!!!"

E é aos meus filhos, tenham eles vindo ao mundo pela minha ou pela barriga alheia, que dedico o poeminha lindo que recebi de uma amiga:

"Quero ser mãe de um menino
Que ande de boné pela casa empurrando um carrinho, que trombe nos móveis às risadas, brinque com panelas e todas as coisas que não pode, faça histórias pros seus bonequinhos de plástico...
Quero ser mãe de um garotinho que fique com as bochechas coradas de correr. Que suba em árvores... um moleque bonitinho, que coma fruta do pé e limpe a boca na manga da blusa de moleton, que tome sopa fazendo barulho sem querer. Quero ser mãe de um menino de lindo olhar, que ria escondido, que pregue peças, muitas peças...
Que brinque de vídeo-game e que fique bravo quando perder e quando tiver de tomar bronca, que saia a correr descalço pela casa, que goste de sorvete com chantili. Que seja o primeiro da classe e seja elogiado por isso, e que tb seja o ESPULETA DA SALA!
Que um dia cole na prova de matemática. Quando adolescente, que chore vendo seu time perder ou ganhar, que ganhe sua primeira MOTO, que não escove os dentes para dormir, que queira namorar e sair, que chore no meu ombro a primeira decepção, que peça permissão para chegar mais tarde em casa, que quando HOMEM, se case um dia e que sua esposa tenha a mesma sorte que eu...
Seja mãe de um MENINO!"


É, nesse ponto, Deus foi coerente: "filha, você acha mesmo que vou dar uma menina a uma mulher que, quando criança, detestava boneca, trocava o 'brincar de casinha' pela bola e pela pipa???"

Parabéns a TODAS as mães e a TODOS os filhos!!!

16 março 2011

Novo emprego: cartomante

Decidi fazer bom uso do um aninho de caratê que fiz há 20 anos e também do intensivão (desde q. me entendo por gente até 1997), patrocinado por meu querido e amado irmão e mudei de emprego.

É um emprego light, esotérico. Coloca-me em contato com o cosmo, comigo mesma e com os outros. Se precisar de uma orientadora nos campos amoroso, profissional e pessoal (com a devida distância, claro), pode me procurar.

Eis aí o marketing de meu novo empreendimento:


E 2012 vem aí... pelo menos aparentemente

15 março 2011

Há (ou havia) juízes e JUÍZES

Quem é do ramo jurídico bem sabe da máxima: "o indivíduo faz concurso para juiz e toma posse para Deus".

Infelizmente, o que não só o juiz, mas qualquer servidor publico se esquece é de que todos devem ser humildes. O próprio nome diz SERVIDOR PÚBLICO: servir ao público, servir ao bem da comunidade.

Tá, eu sei que isso é utopia, mas vivo essa utopia todos os dias. Tento fazer um trabalho bem feito, para que ele possa repercutir, ainda que minimamente, na vida do próximo e na minha também (afinal, também faço parte da comunidade).

Só que a grande maioria (a redundância é necessária devido à gravidade do problema) dos juízes se esquecem desse pequeno detalhe e se arrogam em direitos que não possuem, inclusive no de terem certeza de serem melhores que seus iguais, de estarem acima da comunidade. Nesse mesmo contexto, temos policiais, políticos e outros que têm certeza de que são mais que os demais.

Trago o texto abaixo, extraído do www.espacovital.com.br, para tentar ajudar a diminuir a "grande maioria" (mesmo que seja apenas um) e conscientizar os "demais" de que ninguém é melhor que outrem.

Sentença que mudou a rota de uma vida

Por João Baptista Herkenhoff,
magistrado aposentado e pesquisador.

Dentre as milhares de decisões que proferi na carreira de juiz, há uma que me traz uma lembrança especial porque mudou a rota de uma vida.

A sentença a que me reporto veio a se tornar muito conhecida porque pessoas encarregaram-se de espalhá-la: por xerox, primeiramente; depois por mimeógrafo; depois por e-mail; finalmente, veio a ser estampada em sites da Internet. Primorosos trabalhos de arte foram produzidos a partir do caso, por pessoas que não conheço pessoalmente: Odair José Gallo e Mari Caruso Cunha (versões sonoras e com imagens).

A protagonista do caso judicial chamava-se Edna.

Hoje, aos 74 anos, a memória visual me socorre. Sou capaz de me lembrar do rosto de Edna e do ambiente do fórum, naquela tarde de nove de agosto de 1978, há trinta e dois anos portanto. Uma mulher grávida e anônima entrou no fórum sob escolta policial. Essa mesma mulher grávida saiu do fórum, não mais anônima porém Edna, não mais sob escolta porém livre.

Após ouvir, palavra por palavra, o despacho que a colocou em liberdade, Edna disse que se seu filho fosse homem ele iria se chamar João Batista. Mas nasceu uma menina, a quem ela colocou o nome de Elke, em homenagem a Elke Maravilha.

Edna declarou no dia da sua liberdade: poderia passar fome, porém prostituta nunca mais seria.

Passados todos estes anos, perdi Edna de vista. Nenhuma notícia tenho dela ou da filha. Entretanto, Edna marcou minha vida. Primeiro, pelo resgate de sua existência. Segundo, pela promessa de que colocaria no filho por nascer o nome do juiz. Era o maior galardão que eu poderia receber, superior a qualquer prêmio, medalha, insignia, consagração, dignidade ou comenda.

Lembremo-nos de Jesus diante da viúva que lançou duas moedinhas no cesto das ofertas: “Eu vos digo que esta pobre viúva lançou mais do que todos, pois todos aqueles deram do que lhes sobrava para as ofertas; esta, porém, na sua penúria, ofereceu tudo o que possuía para viver.” (Lucas, 21, 1 a 4).

Edna era humilde e pobre. Sua maior riqueza era aquela criança que pulsava no seu ventre. Ela não me oferecia assim alguma coisa externa a ela, mas algo que era a expressão maior do seu ser.

Se a promessa não se concretizou isto não tem relevância, pois sua intenção foi declarada. O que impediu a homenagem foi o fato de lhe ter nascido um menino.

Em razão do que acabo de relatar, se eu encontrasse Edna, teria de agradecer o que ela fez por mim. Edna me ensinou a ser juiz. Edna me ensinou que mais do que os códigos valem as pessoas. Isso que eu aprendi dela tenho procurado transmitir a outros, principalmente a meus alunos e a jovens juízes.

Segue-se a íntegra da decisão extraída da folha 32 do Processo número 3.775, da Primeira Vara Criminal de Vila Velha:

‘A acusada é multiplicadamente marginalizada: por ser mulher, numa sociedade machista; por ser pobre, cujo latifúndio são os sete palmos de terra dos versos imortais do poeta; por ser prostituta, desconsiderada pelos homens, mas amada por um Nazareno que certa vez passou por este mundo; por não ter saúde; por estar grávida, santificada pelo feto que tem dentro de si, mulher diante da qual este juiz deveria se ajoelhar, numa homenagem à Maternidade, porém que, na nossa estrutura social, em vez de estar recebendo cuidados pré-natais, espera pelo filho na cadeia.

É uma dupla liberdade a que concedo neste despacho: liberdade para Edna e liberdade para o filho de Edna que, se do ventre da mãe puder ouvir o som da palavra humana, sinta o calor e o amor da palavra que lhe dirijo, para que venha a este mundo tão injusto com forças para lutar, sofrer e sobreviver.

Quando tanta gente foge da maternidade; quando milhares de brasileiras, mesmo jovens e sem discernimento, são esterilizadas; quando se deve afirmar ao mundo que os seres têm direito à vida, que é preciso distribuir melhor os bens da Terra e não reduzir os comensais; quando, por motivo de conforto ou até mesmo por motivos fúteis, mulheres se privam de gerar, Edna engrandece hoje este Fórum, com o feto que traz dentro de si.

Este Juiz renegaria todo o seu credo, rasgaria todos os seus princípios, trairia a memória de sua Mãe, se permitisse sair Edna deste Fórum sob prisão.

Saia livre, saia abençoada por Deus, saia com seu filho, traga seu filho à luz, que cada choro de uma criança que nasce é a esperança de um mundo novo, mais fraterno, mais puro, algum dia cristão.

Expeça-se incontinenti o alvará de soltura.’