27 maio 2012

Tempo...

Louca de vontade de escrever, mas completamente sem tempo...

Calma, os textos voltarão... a vontade está me obrigando a tentar suplantar o tempo (se é que isso é possível)...

E por falar em tempo, descobri que o maior bem que todos temos é o tempo. Sei que muitos de vocês já sabiam disso, mas, pela primeira vez, eu parei por alguns instantes para analisar essa frasezinha "o maior bem é o tempo".

Devemos aproveitar o tempo de que dispomos, pois, uma vez perdido, não se consegue recuperar. Recuperamos absolutamente tudo (desde que o orgulho, a ira ou a vaidade não interfiram, claro): amores, carros, casas, dinheiro, amizades... tudo, absolutamente tudo!!! Agora tenta reaver o minuto que passou. Tenta recuperar a hora que você perdeu, discutindo com gente que não valia a pena...

Não dá, não tem como!

Sou um dos seres mais estressados da face da terra, mas descobrir que perder tempo é perder mais que ouro e diamante juntos, fez com que eu revisse muito da minha postura. Não é que eu ande mais calma, só que meu tempo está sendo mais bem gasto.

"Gasto" muito tempo com meus filhos. Brincadeiras, conversas, divagações, carinhos, beijos, abraços, broncas, ensinamentos (de ambas as partes)... Deixo de fazer, de ir, de pesquisar, de voltar, de produzir... deixo isso tudo para "perder" meu tempo com meus filhos.

Por quê??? Ora, porque, além de essas fases não voltarem, é justamente essa época pela qual eles estão passando que marcam a memória, que eles carregarão consigo e contarão a seus filhos: "Nossa, eu e minha mãe passávamos horas papeando", "Isso que estou te ensinando agora, minha mãe me ensinou quando eu tinha a sua idade", "Costumava vir aqui com minha mãe, ela gostava do sanduíche X", "Ali tinha um parquinho, minha mãe ia para o balanço e eu para o escorregador"... e por aí vai...

Quero me fazer sempre presente na vida deles, pois só assim a vida é eterna, na lembrança, sendo carregada para sempre no coração de quem nos ama.

Outra vantagem de "perder" seu tempo com seus filhos é aproveitar o momento "heroína". Nessa fase, somos as heroínas deles, as super-mães. Por enquanto, eles não conseguem ver efetivamente nossos defeitos. Aliás, os que eles enxergam rapidamente se transformam em charme ou em super-poder. Somos necessárias na vida deles, não só porque preparamos o lanche, cuidamos deles, mas porque eles nos admiram. Somos as mulheres mais admiráveis do universo inteirinho!!! Mulher Maravilha não chega aos nossos pés...

Além de ser a mulher mais admirada do universo, também somos a melhor amiga. Não só porque damos apoio, mas, principalmente, porque orientamos. Mesmo que essa orientação signifique "ai, vou levar uma tremenda bronca". Eles vêm e nos contam o que fizeram, por que fizeram, como fizeram e a quem fizeram, e ficam ali, depois de toda a narrativa, esperando nosso comentário. A partir daí, estabelece-se um imenso diálogo que durará a vida toda, pois, mesmo que a conversa acabe depois de quinze minutos, ela irá se repetir na cabeça deles (e na nossa) durante toda a vida, produzirá frutos, servirá de modelo, de exemplo... Quinze minutos "perdidos" e uma vida inteira ganha!!!

Nada, nada mesmo é mais importante q. isso!!! Por isso não troco nenhum minuto ao lado dos meus filhos por nada nesse mundo. Se é algo bacana, posso fazer com eles. Se não posso fazer com eles, então não é tão bacana assim e me fará perder um tempo imenso. Pode ser a viagem dos sonhos, se eles não estão juntos, então não é do meu sonho que estamos falando ;o)

O melhor tempo é ao lado dos meninos, a melhor viagem é vê-los se transformarem em homens magníficos justamente por você os ensinou assim.

Afinal, tem coisa que te encha mais de orgulho do que ver seu filho tendo uma atitude linda, você perguntar "nossa, filho, onde foi que você aprendeu isso?" e ouvir "ué, mãe, você que me ensinou!!!". Mesmo que você nem se lembre se foi você mesma quem ensinou ou quando você ensinou, de uma coisa você tem a mais absoluta certeza: soube "gastar" bem o seu tempo!!!