23 março 2010

Um (infeliz) acontecimento

Nesta terça-feira, uma amiga muito querida presenciou algo chocante, que a fez refletir e a chegar a algumas tristes conclusões. Sinto muitíssimo pela vítima, por minha amiga e, principalmente por nós mesmos.

Acontecimento
por Alcione de Paula

Hoje, presenciei uma cena que ainda não consegui substantivar ou ainda adjetivar... Estava eu dentro do ônibus... E em meio aquele engarrafamento na altura de Sobradinho uma mulher dá sinal para descer... O motorista do ônibus parou, na via, perto da parada, mais especificadamente na faixa da direita... Abriu a porta... Assim que abriu a porta a passageira desceu... Vem um carro pelo acostamento (ao que me pareceu na velocidade da via!). Não vi nada, somente ouvi um grande barulho de freio, com gente, misturado com gemido de dor. Alguém do ônibus grita: “Ai, meu Deus!”.

Alguém do meu lado diz: É minha vizinha. Pega o telefone liga pra família para avisar... A família recebe a notícia... O alguém desliga... Não diz mais nenhuma palavra.

Eu digo: que cretino andando pelo acostamento! Logo, outro alguém toma partido, tentando achar um culpado: O motorista do ônibus deveria ter parado na parada! Calo-me. Não quero encontrar culpados...

O motorista do ônibus - acho que - olha pelo retrovisor faz uma pequena manobra para não passar por cima da mulher agonizante. Continua o percurso. Ninguém reclama. Faz-se silêncio.

O que me espanta nessa cena é a indiferença!

A mulher fica no chão. Outro alguém que estava na parada tenta ajudar, pergunta algo para mulher no chão que eu não consigo identificar...

Que estranho... Percebo que estamos cada vez mais alheios a dor do outro. Trancados no nosso individualismo.

Diante daquele quadro pintado em cores cinza (Nada fácil de ver!) fiquei pensando: sobre a bondade, sobre o direito – ciência viva! – sobre o próximo, sobre os ensinamentos da minha mãe: “Filha, seja gentil com as pessoas, ajude o próximo...”

13 março 2010

Ô coisa difícil!!!

Lidar com o ser humano é complicado. Lidar com gente falsa é muito ruim. Lidar com vacas de presépio é dose. Lidar com gente invejosa é um horror. Agora lidar com gente que não faz absolutamente nada, posa de bacana e ainda faz o (des)favor de emitir sua ignóbil opinião, é de lascar, viu???

Mais alguém aí é obrigado a conviver com isso???

Lamentável...

Isso me remete a uma fábula bastante interessante:

Conta a lenda que uma vez uma serpente começou a perseguir um vagalume. Este fugia rápido, com medo da feroz predadora e a serpente nem pensava em desistir. Fugiu um dia e ela nao desistia; dois dias e nada. No terceiro dia, ja sem forças, o vagalume parou e disse à cobra:
- Posso lhe fazer três perguntas?
- Nao costumo abrir esse precedente para ninguém, disse a cobra, mas já que vou lhe devorar mesmo, pode perguntar.
- Pertenço à sua cadeia alimentar? Perguntou o vagalume.
- Nao. Respondeu a cobra.
- Eu lhe fiz algum mal? Redarguiu o vagalume.
- Nao. Respondeu novamente a cobra.
- Entao, por que você quer acabar comigo? Perguntou novamente o vagalume.
- Porque nao suporto ver você brilhar. Disse finalmente o ofídio.


O bom é que, para tudo, há uma boa resposta. Às pessoas invejosas, aí vai o meu revide:

A melhor vingança é viver bem

E podem acreditar, essa é a única vingança que realmente me dá prazer em saborear!!!

Assim, sorry envies, but I still be better than you!!!

E, como diz o sinal da Santa Cruz, "pelo sinal da Santa Cruz, livrai-nos Deus, Nosso Senhor, dos nossos inimigos"

12 março 2010

Por que o homem tem que pagar a conta???

Recebi por e-mail e, apesar de ter rolado muiiiiiiiiiiiiiiiiiiito de rir, o assunto é sério, merece nossa total atenção (e adesão).

Beijos!!!

Homens chamam mulheres para sair e não sabem o estresse que isso gera em nossas vidas. Saibam , rapazes, o que se passa nos bastidores...

Ele te chama para jantar. Você sorri: 'Claro, vamos sim'. Inferno na Terra. Você começa a se reprogramar mentalmente e pensar no que fazer para estar impecável até lá; cancela até seus compromissos. Começa a odisséia...

Você pára de comer, claro. Tem que estar magra no dia do jantar e mulher sempre está gorda. Começa a dieta do queijo: ficar sem comer nada o dia inteiro e, quando sente que vai desmaiar, come uma fatia de queijo.

Fazer pé e mão. Homens perguntam: 'Por quê pé? Ela pode usar sapatos fechados?'. Lei de Murphy: Sempre dá merda...

Um infeliz me levou num restaurante japonês. Tirei o sapato para sentar nos tatames. Tomei no c_ bonito! Mostrei meu esmalte semi-descascado... Tem que fazer pé e mão, até porque boa parte dessa raça tem uma tara bizarra por pé feminino. OBS: Isso me emputece. Horas de academia e o cara tem tara na porra do pé...

Hidratação, escova, chapinha, tintura, retoque de raiz, etc. Aí tem a depilação: perna, axila, virilha, sobrancelha, etc. Puta que pariu... lá se vai mais uma hora (DOLORIDA) do seu dia.

Chegou o grande dia! Cedo tem a passadinha na academia para malhar desumanamente até quase cuspir o pulmão.

O Zé Ruela não disse onde ia levar a gente... Dilema: 'Será que estou bem vestida?...' Se te serve de consolo, ele não vai perceber.

Aliás, ele não vai perceber quase NADA. Você pode aparecer de Chanel ou enrolada em um pano qualquer. Eles não reparam em detalhes. Bom , pelo menos sabem dizer quando estamos bonitas (só não sabem o porquê).

Depois de passar rímel, a babaca fica separando cílio por cílio com palito de
dente pra ficar com um olhar mais bonito...

Homens não entendem, mas tem dias que a gente acorda gorda. Sério! Ontem o corpo estava lindo, e hoje... PORCA! Juro que acontece. Você compra uma roupa para um evento. Na loja fica linda, mas na hora de sair fica um c_.

Se for um desses dias em que seu corpo está um c_ e o espelho de sacanagem com sua cara, você acaba com uma pilha de roupas em cima da cama, chorando e gritando: 'EU NÃO TENHO ROOOOOUUUUUPAAAA'. Aí tem que refazer a maquiagem.

E quando você inventa de colocar aquela calça apertada e tem que deitar na cama e pedir para outro ser humano enfiar ela em você? Uma gracinha, já vai para o jantar lacrada a vácuo. Se espirrar, a calça perfura o pâncreas.

Lingerie feminina ou é bonita, ou é confortável. Você quer usar sua calcinha de
algodão, surradinha e confortável, mas totalmente ati-tesônica... Pensa: 'Eu não vou dar para ele hoje mesmo, que se foooda'. 'Mas e se, mesmo sem dar para ele, eu subir uma escada e ele acabar vendo a minha calcinha...Broxará para todo o sempre comigo...'.

Puta da vida, você tira sua calcinha amiga e coloca uma daquelas porras mínimas e rendadas, que vão ficar entrando na sua bunda a noite toda...

Você decide usar o sapato assassino. Lei de Murphy de novo... No meio da noite o animal solta um 'Sei que você adora dançar, vamos dançar! Ao dançar, você tenta fazer parecer que as lágrimas são de emoção.

Uma vez um sapato me machucou tanto, que fiz um bilhete e colei nele, para
lembrar de nunca mais usar!. Pergunta masculina: Por quê você não deu o sapato?????
Porra... custou caro pra cacete. Vou guardar. Eu sei, eu sei, materialista do
caralho. Vou voltar como besouro de esterco na próxima encarnação e comer muito cocô para ver se evoluo espiritualmente! Mas por hora, o sapato fica!

Pronto! Você tá linda, apenas lutando mentalmente com o dilema 'Será que dou para ele? É o terceiro encontro, talvez eu deva dar... Começa a bater a ansiedade. Liga para a melhor amiga e diz que não quer mais ir, que saír com homens é muito estressante e que quer voltar tartaruga na próxima encarnação. Ela, coitada, escuta pacientemente e tenta te acalmar.

Agora imaginem se depois de tudo isso, o filho da puta liga e cancela o encontro? 'Surgiu um imprevisto, podemos remarcar?'. Gente, eu fico PUTA com isso! Não, não podemos remarcar. Tá louco?! A essas alturas, a dieta radical do queijo já faz com que você enxergue tudo turvo..

Eles acham que é simples, que a gente levantou da cama e foi direto pro carro
deles, lindas desse jeito. Se fode aí, meu! Vem me buscar de maca, cadeira de
rodas, no soro, mas NUNCA desmarque com uma mulher. Só em caso de morte de pai ou mãe por AVC no trânsito. Mas isso foi só um pesadelo paranóico. Ele liga e diz que está chegando. Você se perfuma, escova os dentes, entra no carro e ele sequer olha sua roupa. Não repara em NADA, nadinha... Acha que você é assim ao natural e só diz: 'Hummm, tá cheirosa'.

Pior é quando ele tira sua calça junto com a calcinha e nem vê. Pois é, Minha
Amiga, você passou a noite toda com a rendinha atochada no rego (que por sinal custou muito caro) para nada... Homens, uma calcinha de marca custa o mesmo que um MP4!! Favor tirar sem rasgar.

No meio da noite, já não sinto os dedos do pé, é o princípio de gangrena em
função do sapato bico fino. Ele conta piadas e ri . Eu também estaria rindo se
não fosse essa calcinha intra-uterina raspando o colo do meu útero'..

Sinto meu estômago fagocitando meu fígado, mas só belisco a comida de leve, constrangida dele achar que eu como muito.

Para finalizar, veja quanto custa esse jantarzinho para nós, mulheres:

Roupa.................R$ 200,00
Lingerie..............R$ 80,00
Maquiagem.............R$ 50,00
Sapato................R$ 140,00
Depilação.............R$ 50,00
Mão e pé..............R$ 30,00
Perfume importado.....R$ 130,00 (se for o de 30
ml...)


JOGANDO O VALOR PARA BAIXO, gastamos uns R$ 700,00. Entendem por que o homem TEM QUE PAGAR A CONTA?

Tem mais: Os homens que nunca dão o primeiro passo (ou seja, ainda não entenderam o que é SER HOMEM em nossa sociedade), perdem o interesse em nós quando tomamos a iniciativa. AGORA.... QUEM NESSE MUNDO ENTENDE OS HOMENS?


E antes de virem dizer que vocês também não nos entendem, segue logo a resposta:

'Mulheres existem para serem amadas, não para serem entendidas.'
(Vinicius de Moraes).

Ô homenzinho sábio!!


TAMOS ENTENDIDOS?

09 março 2010

Senhoras EX's!!!

Porque há ex-maridos e EX-MARIDOS e porque a inveja é uma merda, deviam instituir o dia internacional da ex-mulher (mas só para as ex maravilhosas, lindas, poderosas, inteligentes, independentes, elegantes, merecedoras de um Oscar!!!)





*foto devidamente surrupiada de www.kibeloco.com

04 março 2010

Fazendo a boa ação de hoje...

A carta abaixo é de um desesperado pai que está se vendo tolhido da convivência com o filho.

Se você possui um blog, divulgue essa missiva, para que muitos saibam que nem sempre a mãe é uma "coitadinha-que-cuida-sozinha-do-filho" e o pai "um-desalmado-que-nem-liga-para-a-criança". Aqui, os papéis tomam outra dimensão.

Ah, a cópia foi retirada do site espaço vital

Eu tenho o direito de ver meu filho!

(04.03.10)


Por J.C., pai

Conheci minha ex-esposa quando estava trabalhando em Porto Alegre, em 1999. Casamos em 19 de outubro de 2001 e tivemos um filho, nascido em 21 de janeiro de 2005.

Morávamos em Porto Alegre, mas após um traumático assalto, vendemos todos os nossos bens, colocamos o dinheiro em uma conta corrente conjunta e nos mudamos para a França. Nosso período de adaptação não foi fácil e acabamos rompendo nosso relacionamento em janeiro de 2008, quando ela retornou com nosso filho ao Brasil, para Porto Alegre.

Após o retorno de minha ex-mulher e meu filho ao Brasil, fui visitá-los em agosto de 2008 e, na oportunidade, começamos a discutir as questões relacionadas ao nosso filho, à partilha de bens e à separação. Concordei que, em um primeiro momento, o nosso filho – que contava com apenas 3 anos de idade – permanecesse com a mãe no Brasil, desde que eu pudesse visitá-lo e mantivesse um contato diário com ele.

Não chegamos a um acordo quanto aos termos da separação, sobretudo porque todo o dinheiro que tínhamos – que era todo o nosso patrimônio (em parte heranç minha)– ficou numa conta corrente conjunta, cuja titular era minha ex-mulher, e ela já havia sacado todo o nosso dinheiro.

Ingressei com a ação de separação litigiosa em novembro de 2008. Naquele final de ano, quando estava já com a passagem comprada para visitá-los, tive a informação que minha ex-mulher havia viajado com meu filho, para impedir que eu estivesse com ele.

Meus advogados ingressaram com um outro processo – chamado de medida cautelar – para obrigar a mãe de meu filho a me deixar visitá-lo. Naquela oportunidade, consegui visitar meu filho, de apenas 3 anos, mas sempre na presença de minha ex-esposa e/ou seus familiares.

Na audiência em dezembro de 2008, ficou determinado pela juíza que eu poderia buscar meu filho às 9h. da manhã e devolvê-lo até as 21 horas. Também ficou determinado que minha ex-mulher se comprometeria a conversar com o nosso filho para sair na minha companhia e, se fosse o caso, eu poderia pernoitar com meu filho.

Cheguei a alugar um apartamento (para não ficar em hotel) e um carro para passear com meu filho. Mas nada do que foi determinado pela juíza foi cumprido e, para não desgastar a relação com meu filho e com minha ex-mulher, tudo que pude fazer foram ocorrências policiais de descumprimento de ordem judicial.

Fiquei em Porto Alegre de 18 a 27 de dezembro de 2009 e tive de registrar quatro ocorrências policiais. Sofri agressões físicas e psicológicas. Tudo está informado no processo.

Pedi uma avaliação social, designada para maio de 2009. Mesmo desempregado, juntei esforços e viajei até o Brasil para comparecer a audiência com a assistente social e para, de novo, tentar um acordo e conseguir conviver normalmente com meu filho. A assistente social concluiu que é importante garantir o convívio do meu filho com o pai e familiares franceses. Também que é importante que a mãe prepare e incentive o filho para um convívio mais autônomo com o pai.

A assistente social também recomendou o aprendizado do idioma francês, visitação progressiva e autônoma comigo e, quando já houver um convívio mais autônomo de meu filho comigo, uma ida à França para que ele visite o irmão e os avós franceses. O laudo concluiu que meu filho tem condições de ter visitas independentes com o pai até aproximadamente 15 dias.

Mas, novamente e infelizmente, minha ex-mulher não permitiu que eu estivesse com meu filho: marcava lugares e não aparecia; desligava o celular; se atrasava; não preparava o menino para sair comigo; dificultava ao máximo nosso encontro. Novamente, fiz ocorrências policiais que foram informadas ao Juízo.

Fiz o que estava a meu alcance: fui na escola onde meu filho estuda, fui na consulta com a psicóloga que o atende, fui a entrevista com a assistente social, fui a audiências, fui a delegacias. Nestes dois anos, estive com o meu filho apenas três vezes. Ele ainda é muito pequeno e não tem condições de se conectar sozinho ao computador, nem de pegar um telefone e falar comigo.

O Poder Judiciário, com tantas ações para julgar, não está levando em consideração as peculiaridades do meu caso. Para mim, essa situação é uma tortura. Para a Justiça, é mais uma ação de separação litigiosa.

Peço uma convivência sadia e normal com meu filho, mas não encontro nenhum eco: nem no Judiciário, nem fora dele. Passaram-se dezembro, janeiro, fevereiro - e não consigo ter a mínima previsão para estar com o meu filho apesar de numerosos pedidos à minha ex-esposa e ao seu advogado.

Entristece-me ver que nenhuma força é dada aos pais para ver os seus direitos respeitados e que meu filho se vê amputado da sua dupla nacionalidade, sem que isto gere nenhuma reaçao. Parece, depois de dois anos, que ninguém tem força para fazer valer a lei e as decisoes do Poder Judiciário.

Hoje frente a esta situaçao não sei mais a que santo queimar uma vela. Aceito qualquer tipo de ajuda para que o meu filho possa me abraçar de novo.

.........................

A mensagem dos advogados do pai

"Ao Espaço Vital .

Tratando-se de um processo com segredo de justiça, pedimos que seja preservada a identidade das partes. Sugerimos indicar os nomes como aparece no saite do TJRS (autor J.C. e ré L.G.); processo nº 10803075387 , da 2ª Vara Cível do Foro Regional Sarandi, Porto Alegre; agravos de instrumento nºs 70032649030 e 70033468703, da 7ª Câmara Cível).

O genitor tem enviado sua carta solicitando ajuda a associações de pais, ONGs, embaixada francesa etc.

Cirne Lima & Cirne Lima Advogados Associados"

E-mail - cirnelimaadv@terra.com.br

03 março 2010

Pra quem acha que é fácil substituir pessoas

Essa recebi por e-mail. Não me foi indicado o autor, mas, ainda assim, gostaria de parabenizá-lo por conseguir elaborar um texto que traduz minhas idéias.

Será mesmo que você é substituível ?????

Na sala de reunião de uma multinacional o diretor nervoso fala com sua equipe de gestores.

Agita as mãos, mostrar gráficos e, olhando nos olhos de cada um ameaça: "ninguém é insubstituível".

A frase parece ecoar nas paredes da sala de reunião em meio ao silêncio.

Os gestores se entreolham, alguns abaixam a cabeça.

Ninguém ousa falar nada.

De repente um braço se levanta e o diretor se prepara para triturar o atrevido:

- Alguma pergunta?

- Tenho sim. E Beethoven?

- Como? - o encara o gestor confuso.

- O senhor disse que ninguém é insubstituível e quem
substituiu Beethoven?


Silêncio.

O funcionário fala então:

- Ouvi essa estória esses dias contada por um profissional que conheço e achei muito pertinente falar sobre isso.

Afinal as empresas falam em descobrir talentos, reter talentos, mas, no fundo continuam achando que os profissionais são peças dentro da "máquina"(organização) e que, quando sai um, é só encontrar outro para por no lugar.

Quem substituiu Beethoven? Tom Jobim? Ayrton Senna? Ghandi? Frank Sinatra? Garrincha? Santos Dumont? Monteiro Lobato? Elvis Presley? Os Beatles? Jorge Amado? Pelé? Paul Newman? Tiger Woods? Albert Einstein? Picasso? Zico?

Todos esses talentos marcaram a história fazendo o que gostam e o que sabem fazer bem, ou seja, fizeram seu talento brilhar. E, portanto, são sim insubstituíveis.

Cada ser humano tem sua contribuição a dar e seu talento direcionado para alguma coisa. Está na hora dos líderes das organizações reverem seus conceitos e começarem a pensar em como desenvolver o talento da sua equipe focando no brilho de seus pontos fortes e não utilizando energia em reparar seus 'erros/ deficiências'.

Ninguém lembra e nem quer saber se Beethoven era surdo, se Picasso era instável, Caymmi preguiçoso, Kennedy egocêntrico, Elvis paranóico...

O que queremos é sentir o prazer produzido pelas sinfonias, obras de arte, discursos memoráveis e melodias inesquecíveis, resultado de seus talentos.

Cabe aos líderes de sua organização mudar o olhar sobre a equipe e voltar seus esforços em descobrir os pontos fortes de cada membro.

Fazer brilhar o talento de cada um em prol do sucesso de seu projeto. Se seu
gerente/coordenador, ainda está focado em 'melhorar as fraquezas' de sua equipe corre o risco de ser aquele tipo de líder/ técnico, que barraria Garrincha por ter as
pernas tortas, Albert Einstein por ter notas baixas na escola, Beethoven por ser surdo. E na gestão dele o mundo teria perdido todos esses talentos.

Seguindo este raciocínio, caso pudessem mudar o curso natural, os rios seriam retos não haveria montanha, nem lagoas nem cavernas, nem homens nem mulheres, nem sexo, nem chefes nem subordinados . . . . . . apenas peças.

Nunca me esqueço de quando o Zacarias dos Trapalhões'foi pra outras moradas'. Ao iniciar o programa seguinte, o Dedé entrou em cena e falou mais ou menos assim: "Estamos todos muito tristes com a 'partida' de nosso irmão Zacarias... e hoje, para substituí-lo, chamamos:.... Ninguém ... pois nosso Zaca é insubstituível"

Portanto nunca esqueça: Você é um talento único... com toda certeza ninguém te
substituirá!


Ah, sem esquecer de que (infelizmente) existe sim uma galera que não faz a menor diferença e, portanto, também não faz a menor falta. Ainda bem que é uma minoria!!! Ou uma maioria??? É... definitivamente não fazem falta nem na contabilidade...

Fui!!!

Mas volto...

02 março 2010

A diferença entre pessoas sem caráter e mau caráter...

Há situações com as quais a gente se depara que nos trazem algumas surpresas.

Isso aconteceu comigo há pouquíssimo tempo.

Antes, ao observar as pessoas, tentava distinguir o caráter delas entre bom, ruim e tendente a... Creio que todos fazem isso, até mesmo como modo de se preservar, para evitar ou, pelo menos se distanciar de pessoas de caráter duvidoso.

Entretanto, a soberba é algo aniquilador... e a soberba, no caso, foi minha, em achar que conseguia diferenciar bem esses indivíduos, a fim de me manter a salvo deles.

Pois bem, eis que fui surpreendida (para dizer o mínimo, tentando arduamente manter a polidez) por alguém mau caráter e por uma pessoa que inaugurou uma nova espécie: os sem caráter.

O "sem" aqui é no sentido de ausência mesmo. Pessoas que não sabem a que vieram, que ocupam o espaço, espalham sua (inútil) futilidade e são massas de manipulação para os seres que detêm o mínimo de caráter (bom ou ruim). Possuem o apelido de "maria-vai-com-as-outras" e, em termos de inaptidão para tomar uma decisão por si mesmas, conseguem sacanear os demais indivíduos, podendo chegar ao estágio de jogar a própria filha da janela, por ordem de outrem.

Voltando à vaca fria, no caso que me trouxe à escrita, de uma lapada só, uma mau caráter resolveu voltar atrás na palavra dada (como sói acontecer com essa espécime), sendo endossada (é claro), por alguém sem caráter (que muito provavelmente sequer consegue expressar o significado da frase "manter a palavra dada")!!!

Resultado: preciso ter cuidado com pessoas fúteis, cuja única utilidade que possuem é a de serem vacas de presépio (ou massa de modelagem) de quem fizer bom uso (ou mal mesmo, pois elas sequer sabem diferenciar). Ah, sem esquecer do lembrete básico: mau caratismo também ocorre em quem se faz de amigo.

É, aprendendo antes tarde do que nunca!!!

Fui, mas volto... e, como diria minha mãe, ainda vou ver o fim dessa história (e quando acontecer, posto aqui - se valer a pena, claro).